quinta-feira, 22 de outubro de 2009

USO LÚDICO NO DIAGNÓSTICO PSICOPEDAGÓGICO.

È indispensável à existência de um tempo e espaço para a criança brincar, pois através da brincadeira a criança se comunica melhor e se revela para o terapeuta, mesmo que seja de forma inconsciente. O trabalho psicopedagógico se utiliza desse recurso tanto para o diagnóstico quanto para o tratamento.
No diagnóstico a utilização de situações lúdicas possibilita a compreensão do funcionamento do processo cognitivo, afetivo-social e suas interferências na aprendizagem da criança.

Existem vários modelos de utilização do lúdico no diagnóstico nos quais cito a autora:
  • Hora do Jogo Diagnóstico(M.L.S. de Ocampo e colaboradores 1981,p167);
  • Hora do Jogo (Sara Pain, 1986);
  • DIFAJ (Alícia Fernandez, 1990).

A sessão lúdica diagnóstica se adéqua a faixa etária da criança ou adolescente e se difere da terapêutica por existir limites definidos e podem ser feitas intervenções provocadoras e limitadoras para observação das reações da criança.



SESSÃO LÚDICA CENTRADA NA APRENDIZAGEM



A Sessão Lúdica Centrada na Aprendizagem surgiu das lacunas encontradas na utilização da EOCA (J. Visca) e da Hora do Jogo Diagnóstico proposta por diferentes autores. A primeira toca de saída no “ponto fraco” escolar do aluno e a segunda se obtém com facilidade dados sobre aspectos afetivos gerais da aprendizagem, porém quase não existe espaço para condutas relacionadas à aprendizagem escolar formal que revelam os níveis pedagógicos da criança.
A Sessão Lúdica Centrada na Aprendizagem utiliza os mesmos matérias utilizados na EOCA somados aos utilizados na Hora Lúdica acrescidos jogos formais como: dominó, memória e etc. Observou-se crianças mais espontâneas e que se revelavam com ais facilidade.
O material utilizado deve atrair o paciente pela sua utilidade e não por ser diferente do usual.



A apresentação do material segue três modalidades:
1ª Em uma caixa de tamanho regular de fácil utilização pela criança.
2ª sobre uma mesa, sem obedecer à classificação ou ordenação.
3ª Forma mista (caixa e sobre a mesa).


Devem-se observar a escolha do material e da brincadeira, o modo de brincar e a relação que o paciente estabelece com o terapeuta durante as brincadeiras.


REFERÊCIA:

WEISS, Maria Lúcia Lemme. Psicopedagogia Clínica – Uma visão diagnóstica dos problemas de aprendizagem escolar. 13 ed. Ver. E aml: RJ Lamparina.2003.
About The Author
Bie, that's my name. Im just an ordinary blogger.Ea eam labores imperdiet, apeirian democritum ei nam, doming neglegentur ad vis. Ne malorum ceteros feugait quo, ius ea liber offendit placerat, est habemus aliquyam legendos id. Eam no corpora maluisset definitiones.
Share This

2 comentários:

indy on 10 de novembro de 2009 14:39 disse...

parabéns pelo seu blog, amei!!!!que Deus continue te fazendo uma mulher segundo o seu coração!!sábia e virtuosa!!!!!!!!Deus é contigo
Indiara de Ilhéus_ba

Hosana on 11 de novembro de 2009 16:59 disse...

Parabéns pelo conteúdo do Blog ... esteja certa de que tem ajudado muitas colegas da Psicopedagogia de Norte a Sul o Pais!
Amo Natal (RN) ... tenho amigos inesquecíveis nessa terra ensolarada!
Bjs

Postar um comentário

Super Interessante!!!

2leep.com
 

Psicopedagogi@ Educação Copyright © 2009 Fashionzine is Designed by Ipietoon for Bie Blogger Template
In Collaboration With Teen Celebrities